Salada Verde

Incêndios no Chile ameaçam Reserva Mundial da Biosfera

Fogo já consumiu grandes porções da Reserva Nacional Lago Pañuelas, área protegida reconhecida pela Unesco. Monoculturas ajudaram a espalhar chamas

Cristiane Prizibisczki·
5 de fevereiro de 2024
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Os incêndios que atingem a região de Valparaíso, no centro do Chile, desde a última semana, têm deixado rastros de destruição não só em áreas com ocupações humanas – com a consequente morte de 122 pessoas, segundo números divulgados na noite de domingo pelo governo chileno. 

Dos 11 mil hectares já consumidos pelas chamas, grande parte se concentra dentro da Reserva Nacional Lago Pañuelas, área que foi protegida devido à sua importância na provisão de água para Valparaiso e Vina del Mar. A reserva, junto com o Parque Nacional La Campana, mais ao norte, receberam da Unesco, em 1984, o título de Reservas da Biosfera.

A área total do parque que foi queimada ainda não foi contabilizada, mas as chamas já ocupam grande parte do seu interior. A Reserva cobre uma área de 9,2 mil hectares e contém ao menos 150 espécies nativas já catalogadas, sendo que ao menos duas já haviam recebido o status de “ameaçadas”.

A flora da reserva inclui mata mista, mata ciliar e mata caducifólia. Espécies de árvores exóticas também são encontradas em seu interior, em grandes plantações, principalmente de eucalipto e pinus. 

Propagação do incêndio no Chile. Crédito: Googe Earth

Cerca de 120 espécies de aves foram registradas na reserva, além de mamíferos de médio porte, como o gato-dos-pampas (Leopardo colocola), a raposa-colorada (Lycalopex culpaeus) e a raposa-cinzenta (Lycalopex griseus).

As altas temperaturas e os ventos fortes registrados na região desde a sexta-feira ajudaram na disseminação das chamas, mas a estiagem prolongada e a presença de monoculturas no caminho do fogo foram fatores decisivos.

À BBC, o professor do Departamento de Geofísica da Universidade do Chile, Roberto Rondanelli, explicou que a presença de espécies exóticas em grandes plantações serve de combustível para a disseminação do fogo.

“A área é muito mais vulnerável quando tem mais plantações do que floresta nativa.

A floresta nativa é muito mais resistente ao fogo. Além disso, a densidade de biomassa das plantações florestais é maior que a da floresta nativa para maximizar as produções, e isso pode ser um problema”, disse o professor à BBC.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
24 de novembro de 2023

Com 4 mil focos de queimadas, Pantanal tem pior novembro da série histórica

Desde o início das medições, em 1998, não havia tantos focos de incêndios no mês, quando historicamente inicia a chuva na região

Notícias
25 de janeiro de 2024

Crise climática aumentou em 30 vezes a chance de seca na Amazônia

Estudo mostra que aquecimento global foi principal responsável pela estiagem extrema registrada no bioma em 2023, enquanto El Niño teve papel secundário

Notícias
11 de outubro de 2023

Mais de 9 milhões de hectares já queimaram no Brasil em 2023

Somente em setembro a área queimada no país chegou a 4 milhões de hectares. Dos dez estados que mais queimaram, oito estão na Amazônia

Mais de live bet

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.