Salada Verde

Congresso discute Política Nacional de Arborização Urbana

Projetos de Lei preveem a formulação de planos nacionais, estaduais e municipais para a arborização urbana, além de um comitê gestor para a área

Júlia Mendes·
28 de setembro de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Importante mecanismo para a mitigação de calor nas cidades, a manutenção de espaços verdes, canteiros florestados e árvores nas calçadas das ruas não dispõe de uma política pública de abrangência nacional. Ao menos por enquanto. Ao menos dois projetos, um tramitando no Senado e outro na Câmara, pretendem disciplinar – e punir – gestores públicos que não prezam pela manutenção das árvores urbanas.

Apresentado em junho, o PL 3.113/2023, de autoria do senador Efraim Filho (União/PB), institui a Política Nacional de Arborização Urbana (Pnau), que tem como objetivo manter e até expandir as áreas verdes em espaços urbanos a partir da formulação de planos estaduais e municipais. A proposta é uma reprodução do PL 4309/2021, de autoria do ex-deputado e hoje presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho, que tramita na Câmara dos Deputados desde dezembro de  2021. 

O PL apresentado na Câmara já passou por duas comissões e está pronto para ser votado na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS). A proposta é fruto de uma série de discussões  promovidas pela Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, que  instituiu o Grupo de Trabalho da Política Nacional de Arborização Urbana (GTPNAU), coordenado pelo engenheiro florestal Daniel Caiche.  

Já o que tramita no Senado está iniciado a trajetória na Comissão de Desenvolvimento Regional (CDR), com relatoria da senadora Professora Dorinha Seabra (União/TO). Se aprovada, o PL seguirá para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A última etapa será a Comissão de Meio Ambiente (CMA), que tem caráter conclusivo, ou seja, será a última comissão antes do projeto seguir para a Câmara. O texto só irá para o plenário do Senado em caso de requerimento de um senador e pelo menos nove votos a favor.

Tarefa de todos

O texto dos PLs torna obrigatório a criação de planos municipais de arborização urbana para os municípios acima de 20 mil habitantes e Distrito Federal. Os planos terão duração de 20 anos, com atualização a cada 5 anos. De acordo com o PL, a construção do plano municipal é condição para o recebimento de verbas federais e estaduais para o investimento na arborização. No entanto, os municípios podem optar também pela formação de consórcios intermunicipais, dispensando-se, assim, da elaboração do plano municipal. Nesse caso, deverá ser elaborado um plano intermunicipal que atenda aos requisitos estabelecidos na lei. 

“Estudos relacionam a presença de vegetação no ambiente urbano

com a redução do índice de criminalidade e de violência doméstica e com o aumento da sensação de bem-estar, da capacidade de concentração e da produtividade em ambientes escolares e de trabalho”, justifica o senador Efraim Filho ao apresentar o projeto de lei. 

A proposta responsabiliza o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e os órgãos ambientais estaduais e municipais pela implantação dos planos de arborização urbana. O MMA ficará responsável pela elaboração de  diretrizes e políticas públicas a nível nacional e coordenar e apoiar as ações dos estados para conservação e expansão da arborização urbana.

Já os estados atuarão no suporte técnico de financeiro da política de arborização. Além disso, União e estados serão responsáveis pelo mapeamento da situação dos territórios de cobertura e a determinação de metas e programas para o alcance dos objetivos em escala municipal. 

Comitê Gestor  

Além das diretrizes para a implementação dos planos nas três esferas nacionais, o PL também estabelece a formação do Comitê Gestor da Política Nacional de Arborização Urbana (CGPNAU), vinculado ao MMA, como instância central da Pnau. 

Dentre outras competências do comitê, estão: 

“I – estabelecer diretrizes e políticas públicas para a implantação e revisão da PNAU e a sua operacionalização, em conformidade com os seus instrumentos, sobretudo, com os planos nacional, estaduais e municipais e as suas revisões;

 II – apoiar propostas de instituição ou revisão de planos estaduais e municipais de arborização urbana;

 III – definir áreas prioritárias da PNAU;

 IV – promover a articulação de políticas setoriais e a articulação federativa, objetivando a convergência de suas ações para o benefício das áreas prioritárias da PNAU;”

Outras competências do órgão disponíveis no texto da lei

Não Regressividade 

O Projeto de Lei determina que a Pnau deve ser regida pelo “princípio da não regressividade da arborização”, enfatizando a expansão quantitativa e qualitativa das áreas verdes na cidade como prerrogativa e, de modo algum, a regressão da arborização já existente nos ambientes urbanos. 

Ou seja, qualquer plano de arborização deverá priorizar a manutenção das árvores existentes na cidade, podendo o poder público alterar o novo projeto caso seja necessário para a preservação do local.  

“Espera-se que a partir da criação da Política Nacional de Arborização

Urbana, o tema ganhe destaque dentro das agendas governamentais e que a profissionalização da arboricultura, bem como o aumento nos recursos destinados à gestão da vegetação urbana se materializem na melhoria da qualidade de vida das cidades brasileiras”, justifica Rodrigo Agostinho, no texto de apresentação do projeto de lei.

  • Júlia Mendes

    Estudante de jornalismo da UFRJ, apaixonada pela área ambiental e tudo o que a envolve

Leia também

Notícias
31 de janeiro de 2017

Apenas 11% dos quintais da Zona Norte do Rio possuem árvores

Região que concentra 38% dos habitantes da capital do estado sofre com escassez de áreas verdes, confirma estudo realizado por pesquisadora da Coppe

Análises
15 de janeiro de 2013

São Paulo, onde as árvores são consideradas lixo

A ação de “manutenção” de uma praça em São Paulo mostra que uma administração municipal que considera árvores como lixo começa mal.

Colunas
8 de agosto de 2008

Aves, árvores e a ecologia urbana

Uma arborização mais diversa e criteriosa ajudaria a criar uma cidade mais saudável. As árvores da praça em frente a meu prédio, no Centrão de São Paulo, atraem 13 espécies de aves.

Mais de joyark cloud gaming apk mod

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.