Salada Verde

Arte, ecologia e América Latina

Livro que apresenta mais de uma dezena de iniciativas latinoamericanas que estão refletindo o diálogo entre arte, ciência e ecologia será lançado neste sábado no Goethe-Institut

Michael Esquer·
24 de março de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

Uma cartografia das iniciativas que articulam e refletem o urgente diálogo entre arte, ciência e ecologia na América Latina. Este é o mote do Eco-Lógicas Latinas, livro que reúne mais de uma dezena de perfis de artistas e projetos culturais dessa região do continente americano, e que será lançado presencialmente neste sábado (25) às 10h no Goethe-Institut, em São Paulo (SP). 

Organizado por Fernando Ticoulat e João Paulo Siqueira Lopes, da Act. Editora, a publicação trilíngue (PT-ES-EN) apresenta desde o trabalho “pós-apocalíptico” do artista argentino Adrián Villar Rojas, com instalações como Mi familia muerta (2009), até o projeto Botannica Tirannica (2022), exibido pela brasileira Giselle Beiguelman no Museu Judaico. 

Além desses, a obra ainda apresenta outros dez artistas e projetos, como: Ana Teresa Barboza (Peru), artes vivas (Paraguai), Camila Marambio (Chile), Elvira Espejo Ayca (Bolívia), Green Art Lab Alliance (Global), Maria Thereza Alves (Brasil), Museo del Hongo (Chile), Silo – Arte e Latitude Rural (Brasil), Uýra Sodoma (Brasil) e Vivian Suter (Argentina).

“Na atual circunstância, a dicotomia entre cultura e natureza é insuficiente para pensarmos as urgências do contemporâneo e, muito menos, alternativas para um futuro que não seja o esgotamento dos recursos da terra e o fim da vida como a conhecemos. Diante das distopias do porvir, a ação mais urgente é a imaginação, e, por isso, a importância de colocarmos em discussão as práticas artísticas que possam fabular e inspirar caminhos possíveis”, escreve Ticoulat no prefácio da obra.

E se de um lado apresenta ao leitor 12 artistas e projetos que refletem esse intercâmbio entre arte, ecologia e ciência, de outro o livro se encerra com a exposição Vitalidades, da curadora do Museu de Arte Moderno do Rio de Janeiro (MAM Rio) Beatriz Lemos, onde outros 16 artistas também questionam a ideia ocidentalizada de ecologia. “O que me interessava ali era compor uma narrativa a partir da ideia de expansão do significado de natureza-meio ambiente-ecologia”, afirma Lemos. 

Foto: Divulgação

Lançamento 

25 de março, sábado, das 10h às 12h30

Goethe-Institut: Rua Lisboa, 974 – Pinheiros, São Paulo (SP)

  • Michael Esquer

    Jornalista pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com passagem pela Universidade Distrital Francisco José de Caldas, na Colômbia, tem interesse na temática socioambiental e direitos humanos

Leia também

Reportagens
8 de fevereiro de 2024

Falta de transparência da Vale coloca em risco recuperação do rio Paraopeba

Passados cinco anos da tragédia de Brumadinho, rio ainda mantém altos índices de contaminação. Moradores reclamam da contínua falta de comunicação com mineradora

Reportagens
8 de fevereiro de 2024

Área mais rica em peixes recifais do Atlântico precisa de mais proteção

Mais unidades de conservação e primeira reserva da biosfera marinha do país ampliariam as chances de manter a região

Reportagens
8 de fevereiro de 2024

‘Não se combate a crise climática injetando dinheiro em combustíveis fósseis’

Sandra Guzmán, fundadora do Grupo de Financiamento Climático para a América Latina e o Caribe, fala ao Diálogo Chino sobre os desafios regionais para financiar as ações contra as mudanças climáticas

Mais de esl gaming

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.