Notícias

Reunião sobre mineração no fundo do mar começa com pedidos globais por moratória

Desconhecimento sobre impactos ambientais e humanos da atividade engrossa coro por mais estudos e até banimento

Aldem Bourscheit·
30 de outubro de 2023

Começa hoje em Kingston (Jamaica) a 28ª reunião do Conselho da Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (ISA, sigla em Inglês). Ligado à Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, o colegiado tem o poder de decidir sobre a mineração no fundo do mar.

Diante da falta de conhecimento sobre os prejuízos da atividade aos ecossistemas e vida marinhos, bem como às pessoas, sobretudo as cujas vidas dependem da saúde desses ambientes, cresce o coro de vários setores por uma longa moratória ou banimento global desse tipo de mineração.

Nos últimos 6 meses, dezenas de países, do Brasil a nações do Pacífico, Volker Türk, alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, lideranças indígenas, empresas, o Conselho Consultivo de Ciências das Academias Europeias e até instituições financeiras ergueram barreiras à atividade.

Companhias e governos de países como Canadá e China alegam que sem tirar itens como manganês, níquel, chumbo e cobalto do fundo do mar não será possível “descarbonizar” economias com a produção de painéis solares e baterias de carros elétricos. Tudo para frear a crise global do clima.

Ao mesmo tempo, cientistas e conservacionistas afirmam que há minerais suficientes em terra, com extração direta, reúso e reciclagem. As informações são da Deep Sea Conservation Coalition, que reúne organizações internacionais em prol da conservação da biodiversidade em alto mar.

Numa reunião em agosto da ISA, mostrou 888 bet aviator, a mineração quase foi liberada, mas uma moratória foi aprovada até 2025. Todavia, a medida é frágil e pode ser revertida por uma nova decisão do colegiado, sempre sob forte pressão das indústrias e países mineradores.

Na ocasião, o Itamaraty propôs um freio de ao menos 10 anos para estudos quanto aos impactos dessa mineração na biodiversidade e ambientes marinhos. Mas o Brasil não colocou todos os ovos no mesmo cesto e mantém certas portas abertas à mineração em águas profundas.

Autorizado pela ISA, o país pesquisa minerais na chamada Elevação do Rio Grande, a 1.200 km da costa. Desde 2004, o Brasil pede às Nações Unidas a expansão de sua zona econômica exclusiva de 200 para até 350 milhas náuticas, visando a exploração de petróleo, gás e minérios. 

Saiba mais sobre a mineração em águas profundas de mares e oceanos na recente apresentação de 888 bet aviator durante evento online do Pulitzer Center, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Encontro Recifal Brasileiro (Erebra).

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Notícias
2 de agosto de 2023

Mineração em alto-mar pode ser liberada em até dois anos

Brasil queria uma moratória de uma década para mais estudos sobre os efeitos da atividade na vida e ecossistemas oceânicos

Reportagens
22 de março de 2023

Há luz na conservação do alto-mar

O acordo precisa de regramentos para temas como a criação de áreas protegidas e a exploração de recursos minerais e genéticos

Reportagens
27 de julho de 2023

“Não podemos explorar tudo e esperar que isso funcione”, diz Sylvia Earle

Em mergulho nas Ilhas Cagarras, no Rio de Janeiro, a oceanógrafa considera que a humanidade ainda tem tempo de reverter o quadro de destruição nos oceanos; 888 bet aviator acompanhou o mergulho

Mais de 888 bet aviator

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.