Notícias

Após 2 semanas, navio com minério da CSN segue ancorado próximo à Ilha Grande

Navio True Conrad se chocou com o fundo da Baía de Sepetiba no último dia 10. INEA prepara multas de até R$ 2 milhões pela demora de 5 dias na comunicação do incidente

Gabriel Tussini·
25 de maio de 2023

O navio True Conrad, que transportava minério de ferro produzido pela CSN, está ancorado há 15 dias na Baía de Sepetiba, entre Ilha Grande e a Restinga de Marambaia, no litoral do estado do Rio. Desde o último dia 10, após perder o controle do leme e se chocar com o fundo da baía, gerando danos ao casco e ao tanque de lastro, o navio de quase 300m de comprimento por 50m de largura passa por reparos e vistorias. Equipes do Instituto Estadual do Ambiente (INEA) e da Marinha descartaram risco de vazamento de óleo ou afundamento da embarcação. A operadora do navio, a empresa marítima Synergy, nega ter demorado a comunicar as autoridades.

O navio graneleiro – embarcação especializada no transporte de carga a granel –, de bandeira da Libéria, transporta milhares de toneladas de minério rumo a Singapura, no sudeste asiático. O True Conrad pertence à Global Meridian, empresa sediada nas ilhas Bermudas, no Caribe, e controlada pelo banco JP Morgan, dos EUA. A operação do graneleiro era feita pela Synergy Marine Group, sediada em Singapura. A viagem, que começou no porto de Itaguaí no dia 10, estava prevista para chegar ao fim no dia 11 de junho, quando o navio atracaria no porto da cidade-estado asiática.

Partindo do Porto de Itaguaí (RJ) às 00:47 do dia 10, segundo dados de satélite do site de monitoramento marítimo Marine Traffic, a embarcação seguia viagem normalmente por quase 4 horas. Às 04:35, a embarcação para repentinamente, próxima à Ilha Grande, no litoral de Angra dos Reis (RJ), onde permanece atracada até hoje. Segundo nota da Marinha, uma vistoria realizada na última sexta (19), acompanhada a bordo pela Delegacia da Capitania dos Portos em Itacuruçá, constatou que a embarcação está estável e que não há indícios de poluição do mar por vazamento de óleo, o que também foi confirmado pelo INEA (nota completa do órgão ambiental abaixo).

Trajetória do True Conrad na madrugada do dia 10 de maio, da partida no Porto de Itaguaí até o incidente. Para o horário de Brasília, deve-se diminuir 3 horas em relação ao exibido no vídeo. A velocidade está em nós, padrão marítimo. Fonte: marinetraffic.com

O órgão ambiental fluminense diz ter sido comunicado do incidente apenas no dia 15 – 5 dias depois –, e confirmou que multará os responsáveis pela carga e pela operação (ou armação, no jargão náutico) do navio. O valor cobrado ainda não foi confirmado com exatidão, mas segundo o INEA poderá chegar a R$ 50 mil para a Synergy e R$ 2 milhões para a CSN, por descumprimento de seu licenciamento ambiental, que obriga, no item 65, a empresa a “comunicar imediatamente à Gerência de Operações em Emergências Ambientais, do INEA, qualquer acidente ambiental”.

A CSN disse à reportagem, em nota, que só foi informada do ocorrido no domingo (14), e que já no dia seguinte houve uma reunião com presença do INEA, na Capitania dos Portos, para deliberar sobre o tema. A empresa completa dizendo que o assunto está sendo conduzido pela Marinha, “a autoridade competente para tal”. A nota completa está abaixo.

A Synergy, por sua vez, afirma que “todas as partes interessadas regulatórias e comerciais foram prontamente comunicadas do incidente”, e diz não ter sido notificada sobre qualquer multa. A nota completa também está ao fim da matéria.

No local onde o graneleiro está ancorado, próximo à Ilha Grande, está operando o navio rebocador Sagamorim II, da empresa náutica Camorim Serviços Marítimos. Rebocadores são embarcações que manobram outros navios em operações como atracação e desatracação, mas também resgatam os que não têm condições de navegar por conta própria. Outro rebocador da mesma empresa, o Brilhante, esteve no local das 21:30 do domingo (21) às 15:30 de ontem (24), quando foi substituído na operação.

Ainda no dia 12, ou seja, antes de quando a CSN disse ter sido informada do incidente, um outro rebocador começou a operar junto ao navio. Era o José Guilherme VIII, da empresa Chibatão Navegação e Comércio, que chegou ao local por volta das 22:15 daquele dia e se afastou às 00:05 do dia 14. Pouco depois, às 03:54, chegou o Atlântico, embarcação do tipo AHTS (especializada em manuseio de âncoras, reboque e transporte de suprimentos) da Camorim, que se afastou por volta das 06:30 do dia 17. Ainda antes da saída do Atlântico, às 05:10, o rebocador José Guilherme VIII voltou à cena, permanecendo até às 10:20 do dia 21, horas antes da chegada do Brilhante. Ainda na manhã daquele domingo, às 8:45, foi a vez do navio Rei Alberto – especializado no apoio a operações de mergulho – se aproximar do True Conrad. Ele foi rastreado na área até as 13:22 do mesmo dia.

A Synergy afirmou à reportagem que está conduzindo os reparos na qualidade de responsável técnica pela embarcação, e que o serviço dessa frota de apoio está sendo pago pela proprietária do navio (ou seja, a Global Meridian/JP Morgan). A empresa diz que os reparos devem ser concluídos “em breve”. Ao site norueguês especializado em transporte marítimo TradeWinds, a Synergy citou “danos subaquáticos” ao navio, e que seu “time de resposta a emergências trabalhou junto às autoridades locais e regulatórias para resolver a situação”.

Imagem de satélite da área onde o True Conrad, representado pela bola verde ao centro, está ancorado, entre a Ilha Grande (canto inferior esquerdo) e a Restinga de Marambaia (canto superior direito). O rebocador Sagamorim II, representado por uma bola azul, está ao lado do graneleiro. Fonte: marinetraffic.com

Segundo a Marinha, ainda não é possível estimar quando o True Conrad poderá voltar a navegar, já que a vistoria de uma Sociedade Classificadora – empresas especializadas em certificação de segurança marítima – ainda está pendente. É essa vistoria que avaliará se os reparos emergenciais realizados são suficientes.

Palavra dos envolvidos

Além da nota da Marinha, disponibilizada acima, CSN e INEA também se pronunciaram (notas a seguir). A Synergy, por sua vez, não respondeu às tentativas de contato da reportagem. O espaço segue aberto.

INEA

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) informa que está acompanhando o caso junto com a Capitania dos Portos, observando os aspectos de prevenção ambiental e realizando o monitoramento conjunto da área.

A embarcação encontra-se fundeada, não havendo indícios de vazamento de óleo, ou da carga transportada.

Serão aplicadas multas pela não comunicação do incidente à CSN Mineração, responsável pela carga, e ao armador, responsável pela embarcação. O valor da multa no armador pode chegar a 50 mil reais, enquanto na CSN Mineração o valor pode alcançar 2 milhões de reais, por se tratar de descumprimento de condicionante de licença ambiental.

CSN

A CSN Mineração foi informada do ocorrido apenas no domingo (14/5), ou seja, três dias após o fato. Já no dia seguinte, segunda-feira (15/5), foi realizada reunião na Capitania dos Portos, inclusive com a participação do INEA, para deliberar sobre o tema. Cabe reforçar novamente que em vistoria realizada pela Marinha, foi detectado que a embarcação permanecia estável, sem risco eminente ou quaisquer indícios de poluição hídrica.

A Marinha do Brasil está conduzindo o assunto, que é a autoridade competente para tal.

Synergy

Em resposta às nossas perguntas, a Synergy esclareceu que a exata causa do incidente ainda está em investigação e que é a gerente técnica da embarcação, que navegava com um piloto local. “Estamos em contínua comunicação com as autoridades brasileiras e totalmente de acordo e respeitosos às regulações brasileiras. A empresa de rebocadores foi escolhida com base nos requerimentos regulatórios, e o serviço de rebocadores está sendo pago pela proprietária do navio”, frisou a empresa.

*Editado às 15h22, do dia 26 de maio de 2023, para acrescentar a resposta da Synergy.

  • Gabriel Tussini

    Estudante de jornalismo na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), redator em asus tuf gaming b550m-plus e interessado em meio ambiente, política e no que não está nos holofotes ao redor do mundo.

Leia também

Notícias
15 de agosto de 2022

Licença de operação de termelétricas na Baía de Sepetiba é suspensa pelo Inea

É o segundo revés sofrido pelo empreendimento energético em uma semana. Na terça-feira, a Aneel revogou a outorga de autorização ao projeto por descumprimento de prazos

Notícias
16 de março de 2022

MPF recomenda anulação de licença para instalação de torres de energia na Baía de Sepetiba

Projeto é de empresa de origem turca, que também pretende instalar Usinas Termelétricas no litoral fluminense. MPF diz que competência para licenciamento é do Ibama

Análises
15 de março de 2022

Atropelo no licenciamento de termoelétrica coloca em risco a baía de Sepetiba

A condução célere e silenciosa de todo o processo de licenciamento é um verdadeiro estouro da boiada, que só se percebe quando já estamos sendo atropelados

Mais de asus tuf gaming b550m-plus

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.